Arquivo | abril 2016

Cidades ou regiões, o “new deal” dos destinos turísticos

As regiões do interior da França são belíssimas e nós adoramos visitar.

O Mont Saint Michel, o monumento mais visitado da França fora de Paris

Enquanto o cenário visto do Brasil pode parecer pessimista, a OMT acabou de revelar uma boa notícia, com 1,181 bilhão de entradas de turistas internacionais em 2015 e um crescimento de 4,4% do turismo mundial. Se a França deve confirmar sua liderança, os sucessos dos Estados Unidos, da China e de vários países do Sudeste da Ásia, guizhou-landscape-1800_x2as perturbações temporárias de novas potências turísticas como Turquia ou Dubai mostram porem que a concorrência entre os destinos receptores é cada vez mais forte. O quadro dado pelo OMT esconde na verdade evoluções bem maiores porque a competição pelos novos consumidores não é hoje tanto a nível de países, mas muito mais a nível de destinos turísticos. E na sua seleção dos 52 lugares a visitar em 2016, o respeitadíssimo New York Times definiu como “imperdíveis” somente 3 países frente a 18 cidades, 27 regiões, e 4 parques ou estações de esqui.

O Castelo de Chambord, destino Vale de Loire

No mundo inteiro são assim uns 300 “destinos” que estão agora competindo pensando nos 1,8 bilhões de viajantes do final da próxima década. Para cada um desses destinos, será necessário adaptar a oferta para as novas exigências dos consumidores do século XXI, bem como valorizar os fatores de diferenciação que justificarão a escolha desses turistas. Os critérios para ser bem sucedidos são numerosos. São também muito diversos assim como pode ser observados nos quase 40 destinos que a França está promovendo nos mercados internacionais – de Paris ao Mont Saint Michel, de Bordeaux a Borgonha, da Auvergne a Martinica, dos Castelos do Loire até o Taiti, ou de Courchevel até Biarritz.

Fernando de Noronha nos grandes destinos de Trip Advisor

Visto do Brasil, dois fatores de sucesso parecem porém ser fundamentais. O primeiro é de conseguir juntar todos os atores de cada destino – profissionais, políticos e moradores ,– tanto para a construção dos produtos que para a promoção –, num projeto que vai assim beneficiar não somente os turistas mas a própria comunidade. O segundo é conseguir aproveitar e fortalecer as características do local – que sejam suas belezas naturais, suas tradições, seu artesanato, sua gastronomia e seu jeito de viver – sem esquecer de garantir os requisitos básicos como infraestruturas, saúde e segurança. Ilha de PascuaEssas características serão sem dúvidas indispensáveis aos novos destinos internacionais para integrar a lista dos países, das cidades ou das regiões conseguindo o seu desenvolvimento econômico e humano através do turismo. Mostrar sua personalidade, contar sua historia, e satisfazer as exigências básicas num consenso de todos será para cada destino a chave para se posicionar não somente frente a concorrentes mais ágeis, mas ainda frente aos paraísos artificiais ou as “Fakelandias”, de terra ou de mar, que atraiam pela garantia de lazer insosso, mas com risco zero.

Nessas novas regras do jogo dos destinos, o Brasil, e a França, com as suas excepcionais diversidades de regiões e cidades de renome internacional, têm, com certeza, grandes oportunidades de se posicionar.

Jean-Philippe Pérol

A Guiana Francesa, um "contrato de destino" de ecoturismo

Esse artigo foi publicado no Blog “Point de vue” da revista profissional Mercados e Eventos

O Farol do Fim do Mundo no Ushuaia. Adoramos visitá-lo e tudo no seu entorno.

44_81 FAROL DO FIM DO MUNDO USHUAIA

O CANAL DE BEAGLE E O FAROL DO FIM DO MUNDO – Joaquim Nery

O CANAL DE BEAGLE E O FAROL DO FIM DO MUNDO

A Baía de Ushuaia fica no Canal de Beagle e é daí que partem os cruzeiros em direção à Antártida. A cidade funciona como dormitório para os turistas que optam por essa viagem de aventura. O canal segue a borda sul da Ilha da Terra do Fogo e as águas geladas do canal seguem pela divisa entre o Chile e a Argentina. Navegar pelo Canal de Beagle é uma opção maravilhosa para passeios de meio dia ou dia inteiro.

A Baía de Ushuaia.

Nas excursões que saem do terminal turístico de Ushuaia, são avistados lobos-marinhos e leões-marinhos em grande quantidade e de muito perto, além de pinguins e cormorões (corvos-marinhos). O passeio passa pelo Arquipélago de Bridges e oferece a oportunidade de apreciarmos paisagens estonteantes.

Navegando pelo Canal de Beagle, com as montanhas ao fundo.

As montanhas acompanham o Canal de Beagle pelos dois lados. Na Ilha dos Lobos é onde se encontra a maior quantidade de leões-marinhos. Uma grande e completa colônia, onde filhotes são comuns entre os animais adultos. Os machos possuem uma grande juba o que dá origem ao nome de leões-marinhos.

A Ilha dos Lobos com os Leões-Marinhos.

Leão-marinho

Leão-marinho.

Na Ilha dos Pássaros aparecem os cormorões, patos e albatrozes em grande quantidade.

A Ilha dos Pássaros com os cormorões.

Um dos objetivos do passeio é chegar até o Farol Les Ecaireurs, apelidado de “Farol do Fim do Mundo”, um dos principais cartões postais da “Terra do Fogo” e do extremo sul do continente americano. Esse farol não é o que deu origem ao clássico de Julio Verne, O Farol do Fim do Mundo.

O "Farol do Fim do Mundo"

Outro passeio clássico de Ushuaia é a visita à estação de esqui Cerro Castor que fica a 26 km da cidade. É uma estação ainda jovem, mas que desde a sua inauguração atrai cada vez mais visitantes e coloca Ushuaia no calendário e rota dos apaixonados por esqui e snowboard.

No caminho do Cerro Castor.

A temporada de esqui do Cerro Castor é a maior da América do Sul. A frequência da neve em Ushuaia é outra vantagem. A paisagem do mar e das montanhas completam o cenário e atrativos. Possui 30 km divididos em 26 pistas com diferentes níveis de exigência.

No caminho para o Cerro Castor.

Outro passeio que pode ser feito no inverno é uma excursão de trenó puxado por cães huskys siberianos, com a opção de dormir uma noite em barracas e curtindo um frio subpolar. Os cães huskys siberianos são usados para passeios de trenós nos arredores de Ushuaia.